Amor transforma a missão de cada um

A pergunta mais importante que cada discípulo de Jesus pode fazer é esta: Se Jesus estivesse em meu lugar, se Ele morasse na minha cidade, se Ele tivesse o meu trabalho, o meu salário, os meus relacionamentos, a minha personalidade, como Ele viveria?

Infelizmente, esta é uma pergunta que não fazemos o tanto quanto deveríamos.

A Palavra de Deus nos ensina que se alguém está em Cristo, é nova criação. As coisas antigas já passaram; eis que surgiram coisas novas! (2 Co 5.17). Isso nos faz entender que tudo em nossa nova vida com Cristo tem novo significado.

A minha vida, minha família, meu trabalho, meus estudos, meus relacionamentos, enfim, o meu jeito de ser.

Quando o amor de Deus, expresso pelo próprio Jesus na cruz chega a cada um de nós, é esperada uma mudança. Se tudo muda, muda também minha missão nesta terra.

O amor de Jesus nos transforma e transforma nosso senso de missão. Faz com que cada um de nós busque no relacionamento com Deus, através de Jesus, um novo propósito, ou podemos chamar também de missão de Deus para cada um de nós.

Quando a Bíblia fala que pelas misericórdias de Deus se ofereçam em sacrifício vivo, santo e agradável a Deus; que este é o vosso culto racional.

E que não devemos nos amoldar ao padrão deste mundo, mas transformá-lo pela renovação da nossa mente, para que assim sejamos capazes de experimentar e comprovar a boa, agradável e perfeita vontade de Deus (Rm 12.1-2), é para que possamos pensar de novo, de uma forma nova; da forma como Jesus agora nos ensina.

É interessante pensar que o discipulado é holístico. Tem tudo a ver com a pessoa de forma integral.

Aquilo que chamamos de espiritualidade, juntamente com o trabalho, o casamento, o namoro, o sexo, o dinheiro, o impacto na natureza, a comunidade, a saúde – e por aí vai a lista -, que cada categoria desta nas nossas vidas precisa caminhar sob a visão transformadora de Jesus.

Com Jesus tudo se faz novo e passa a ter um novo valor. Um quadro pode ser estimado – financeiramente falando – em quase nada, até que seu autor, aquele por trás da pintura, seja revelado. O ser humano é da mesma forma.

Ele tem sua dignidade acertada por causa da herança recebida do Autor das nossas vidas quando O aceitamos como o nosso Salvador e Senhor. Vidas transformadas que recebem um novo valor, uma nova missão. Qual tem sido a sua?

Mas em nada tenho a minha vida por preciosa, contanto que cumpra com alegria, o ministério (MISSÃO) que recebi do Senhor Jesus Cristo:  testemunhar do evangelho da graça de Deus (Atos 20.24).

 

 

 

“Eu quero ser um mensageiro da vida!”

Esta foi uma das frases que mais impactou minha caminhada ministerial, proferida por um discípulo chamado Antônio,  durante um estudo bíblico no ano de 2010, no interior do estado de Goiás.

Ele havia entregado a vida a Cristo há poucos meses e estava sendo preparado para o batismo.

Contou-me que seu pai – que falecera quando ele era apenas um bebê – havia sido um “mensageiro da morte”, já que havia assassinado muitas pessoas durante sua vida, vindo ele mesmo a ser morto por inimigos.

A tradição cultural exigia que assim que Antônio atingisse a idade adulta deveria se preparar para vingar a morte de seu pai, devolvendo a honra à família.

Por isso Antônio cresceu cultivando ódio e rancor contra os inimigos de seu povo.

Depois de contar tudo isso, com os olhos lacrimejados e com expressão de serenidade e confiança ele olhou para mim e disse: “meu pai foi um mensageiro da morte, mas agora que conheço o Senhor Jesus Cristo eu decido ser um mensageiro da vida”.

Ao ouvir essas palavras logo pensei no amor de Deus, que enviou Seu Filho para derramar Seu sangue por nós, pecadores. Ao olhar para Sua criatura rebelde, má e inconstante, o Pai decidiu não nos retribuir com a morte, mas com a vida.

Para tanto, Ele mesmo se entregou à morte, para que nós vivêssemos e tivéssemos a salvação que não merecíamos.

Oh, como é maravilhoso o Evangelho! Somente o nosso Deus é quem pode transformar os corações e preenche-los do Seu amor inebriante.

E é somente esse amor imensurável que pode transformar vidas como a de Antônio e de tantos outros que estiveram aprisionados pelo ódio.

É isso que Deus faz através de Seu amor: Ele transforma! Como salvos e conhecedores do amor do Pai, precisamos nos entregar incondicionalmente aos braços Dele e desfrutar desse amor, perdoando uns aos outros, edificando a igreja, louvando ao Senhor e especialmente propagando o maravilhoso e doce Evangelho àqueles que nos cercam e que precisam ser comunicados acerca da salvação! Sim, o amor de Deus transforma!

 

 

Igor Shimura
Fundador e coordenador estratégico da Missão Amigos dos Ciganos – MACI.