“Estando ele numa cidade, apareceu um homem cheio de lepra. Vendo Jesus, lançou-se com o rosto por terra e lhe suplicou: Senhor, se queres, podes limpar-me. Jesus estendeu a mão, tocou-o e disse: Eu quero; sê purificado! No mesmo instante desapareceu dele a lepra”. Lucas 2:12-13

Nos tempos modernos, até o século XX, leprosários eram estabelecimentos para os quais as pessoas contaminadas com hanseníase (na Bíblia, lepra) eram enviadas, a fim de isolá-las do resto da população, com o intuito de conter a contaminação pela doença ou de estudá-la. Até 1954, a pessoa infectada pela bactéria Mycobacterium leprae era removida do convívio familiar e levada compulsoriamente aos leprosários para isolamento.

Essa prática era comum nos tempos Bíblicos, quando essa doença era considerada incurável. Se alguém apresentasse sinais de lepra, deveria se apresentar ao sacerdote e seria declarado impuro, isolado e enviado para verdadeiras “cidades” separadas para leprosos (Veja Levíticos 13 e 14). Isso implicava em perder o relacionamento com todos a sua volta e, provavelmente sem volta! Até mesmo quem tocasse um leproso, também era considerado impuro.

Essa descrição parece com os tempos que vivemos? Todos fomos de repente declarados impuros e condenados a viver em isolamento nas nossas residências até a cura aparecer. Nesse momento que parece sem fim, podemos lembrar que Jesus curou essas doenças e muitas outras! E o mesmo Jesus que ao tocar o leproso, não ficou impuro. Ele purificou o leproso! Ele curava no passado e certamente pode trazer o alívio desse isolamento e dessa doença nos dias atuais. Clame a Ele por misericórdia! Senhor, se queres, pode limpar nossa cidade, nosso estado, nosso País!

O Jesus que purifica trará alívio a sua ansiedade e cura a sua vida.

Alysson Diógenes – Membro da IBB