Por Pr. Marcos Paulo Ferreira

Todos sabemos que nossos sonhos dependem de nossas escolhas. Entretanto, na caminhada em direção a eles, somos surpreendidos por tantas opções que facilmente nos desviamos de nossos alvos.

A vida é feita por esses encontros diários com as escolhas. São encruzilhadas que testam nossa maturidade. O não escolher já é uma escolha e as escolhas sem um alvo definido nos arrastam para lá e para cá, como se estivéssemos a bordo de um barco desgovernado, à mercê das ondas e tempestades.

Quando Jesus se apresentou como “o Caminho, a Verdade e a Vida”, Ele nos apresentou uma escolha que determinaria toda nossa eternidade e a possibilidade de trazer essa eternidade à nossa vida enquanto trilhamos os caminhos pelo Caminho.

Baseado no relato que Jesus contou sobre o homem rico e o mendigo Lázaro (Lucas 16.19-31), vemos a realidade da vida após a morte. A realidade do céu eterno (paraíso) e, separadamente, do inferno eterno – um lugar de tormento.

A Bíblia enfatiza muito a questão da eternidade. Contudo, também ensina que aquilo em que acreditamos e colocamos nossa confiança durante nossa vida terrena determina nosso destino eterno. Se a nossa escolha for por dinheiro, bens, habilidades pessoais e outras coisas como fonte de segurança e não o próprio Deus, seremos deixados sem nada e estaremos a eternidade toda no inferno separados de Deus.

Podemos até viver um paraíso aqui, mas a eternidade será longe de Deus.

Se colocarmos a nossa fé em Jesus, recebermos o Seu amor demonstrado por nós na cruz e aprendermos a viver o amor ao próximo como discípulos dEle, passaremos hoje e a eternidade na presença dEle, vivendo uma abundância que vai além de bens materiais, cheia da plenitude de Deus (João 10.10).