Por Pr. André Tavares

“Se o meu povo, que se chama pelo meu nome, se humilhar e orar, buscar a minha face e se afastar dos seus maus caminhos, dos céus o ouvirei, perdoarei o seu pecado e curarei a sua terra.” 2 Crônicas 2.14

Esta é uma passagem bem conhecida e que é frequentemente utilizada pelos pregadores para falar sobre avivamento. Esta palavra foi dita ao rei Salomão na dedicação do templo. Foi dito por Deus que a desobediência e a rebelião resultariam em julgamento sobre a nação de Israel. Este versículo é a promessa de Deus de que aqueles que se converterem dos seus pecados; invocarem a Deus e andarem em Seus caminhos experimentarão um avivamento da presença e da bênção do Senhor. Este é um versículo para Israel, mas fala para cada geração também. Aqueles que cumprem as condições detalhadas neste versículo vão experimentar as Suas promessas.

Em nossa Igreja (homens que amam, mulheres que amam e jovens que amam), precisamos de um avivamento! Nós batistas, precisamos de mais do que uma reunião, precisamos de um avivamento! Precisamos de algo que não podemos produzir por nossos próprios esforços. Avivamento é um evento sobrenatural. Vem pelo decreto soberano do Senhor. Podemos ter uma reunião esta semana, mas não podemos ter um avivamento, a menos que o Senhor nos conceda. Embora não possamos produzi-lo, podemos atender aos requisitos estabelecidos no versículo.

O cronista fala das possibilidades e dos problemas associados ao avivamento. Ao contar o que podemos ter, ele também diz sobre o que pode nos impedir de viver um. Eu gostaria de salientar um “Inimigo do Avivamento”. Há um problema mencionado neste versículo que pode sabotar e impedir a revitalização espiritual. Precisamos ouvir atentamente o que a Bíblia tem a dizer sobre este assunto e fazer o que precisa ser feito para que esse inimigo não nos impeça de conseguir o que precisamos do Senhor.

O orgulho é o inimigo número um do avivamento.

“Se humilhar”. Esta frase lida com a área do nosso orgulho. A palavra traduzida como “orgulho” no Antigo Testamento, significa “subir ou inchar”. Refere-se à subida das ondas do mar. Fala de homens que pensam mais em si mesmos e em suas habilidades do que em Deus. Orgulho diz: “Eu não preciso de Deus, eu posso fazer o meu próprio caminho. Eu sei melhor. Eu tomo as decisões em minha vida.”

Estamos cheio de orgulhos em nossas igrejas modernas! Adotamos a mentalidade de Laodicéia, Ap 3.17a (‘Estou rico, adquiri riquezas e não preciso de nada’…).

Aprendemos a funcionar sem a ajuda do Senhor, e isso tem destruído o poder da  igreja! Quando nos comparamos ao mundo, estamos indo muito bem; mas quando comparamos a Igreja moderna com a igreja primitiva, Atos 2.42-47 (Eles se dedicavam ao ensino dos apóstolos e à comunhão, ao partir do pão e às orações. Todos estavam cheios de temor, e muitas maravilhas e sinais eram feitos pelos apóstolos. Os que criam mantinham-se unidos e tinham tudo em comum. Vendendo suas propriedades e bens, distribuíam a cada um conforme a sua necessidade. Todos os dias, continuavam a reunir-se no pátio do templo. Partiam o pão em suas casas, e juntos participavam das refeições, com alegria e sinceridade de coração, louvando a Deus e tendo a simpatia de todo o povo. E o Senhor lhes acrescentava diariamente os que iam sendo salvos); é fácil ver que não estamos tão bem!

Deus odeia o orgulho! Prov. 6.16-19 (Há seis coisas que o Senhor odeia, sete coisas que ele detesta: olhos altivos, língua mentirosa, mãos que derramam sangue inocente, coração que traça planos perversos, pés que se apressam para fazer o mal, a testemunha falsa que espalha mentiras e aquele que provoca discórdia entre irmãos.). Cada pecado mencionado nesta lista é resultado do orgulho! Aqui é a Palavra de Deus contra o orgulho: Prov. 8.13 (Temer o Senhor é odiar o mal; odeio o orgulho e a arrogância, o mau comportamento e o falar perverso.); 16.5 (O Senhor detesta os orgulhosos de coração. Sem dúvida serão punidos.).

Deus tem um plano melhor! Ele chama Seu povo a “se humilhar”. A palavra significa “dobrar o joelho”, “derrubar”, “colocar-se sob o outro”. Deus deseja que o Seu povo tome as medidas necessárias para pôr-se sob Sua autoridade. Ele quer que saibamos que somos dependentes dEle em tudo; quer que dobremos os joelhos à Sua autoridade. Precisamos seguir o que Jesus disse à igreja em Laodicéia, Ap 3.17b-18 (Não reconhece, porém, que é miserável, digno de compaixão, pobre, cego, e que está nu. Dou- lhe este conselho: Compre de mim ouro refinado no fogo, e você se tornará rico; compre roupas brancas vista- se para cobrir a sua vergonhosa nudez; e compre colírio para ungir os seus olhos e poder enxergar).

Isso é o que a igreja precisa fazer. O povo de Deus precisa entender que não éramos nada quando Ele nos encontrou; que não seríamos nada sem Ele e que não podemos conseguir nada além de Seu poder em nossas vidas, João 15.5 (“Eu sou a videira; vocês são os ramos. Se alguém permanecer em mim e eu nele, esse dará muito fruto; pois sem mim vocês não podem fazer coisa alguma.). Se vamos ter avivamento, o orgulho, nosso inimigo, deve ser tratado para sempre!