Por Pr. Marcio Tunala, postado em tunala.wordpress.com/oferta-de-coracao/

Certa vez fui apresentado para um homem em uma festa de aniversário, o dono da casa ao me apresentar citou que eu era um pastor, o senhor expressou um ar de surpresa e disse que nunca tinha conhecido um pastor pessoalmente e logo foi de forma sarcástica me perguntando se era verdade que os evangélicos entregavam dez por cento de seus rendimentos para a igreja. Eu não tive nenhuma dificuldade para afirmar para ele que isso era uma grande mentira. O povo evangélico infelizmente não tem este nível de comprometimento com a palavra de Deus. Mas existem muitos evangélicos que são comprometidos com a Bíblia e que de coração em obediência, contribuem com quantias até mesmo superior aos dez por cento.

São estes que permitem com que a obra de Deus flua. São pessoas que dedicam suas vidas a Deus sem medir esforços para que a igreja cresça e produza transformações em muitas pessoas e famílias. É através das contribuições que estruturas são estabelecidas. Isso envolve espaços e equipes dedicadas a trabalhar para promover o bem estar físico, emocional e espiritual de muitas vidas. Encontros são promovidos, ministérios com todas as faixas etárias se estabelecem e espaços bem elaborados e construídos são usados para prosperidade de todos. Tudo isso está disponível para que as famílias da cidade usufruam.

A Bíblia diz em Malaquias 3.10: “Trazei o dízimo a casa do Senhor”, e para mim isso significa um ponto de partida, o mínimo que tenho que contribuir é este. Mas porque devemos fazer isso?

Primeiramente este hábito vem em gratidão a salvação que recebi em Cristo. Contribuo porque isso permite com que a mensagem do Reino continue sendo pregada. Contribuo para que mais missionários sejam enviado aos campos e que os carentes recebam ajuda sempre que necessário. Minhas ofertas permitem que crianças recebam a mensagem através de pessoas capacitadas com literatura adequada e desenvolvidas por equipes que se dedicam a esta obra. Sou um contribuinte para que não falte recursos que possibilitem a mensagem de esperança chegar aos aflitos. Sou dizimista e ofertante porque sou comprometido com a Bíblia Sagrada.