Por L. Roberto Silvado

Uma das histórias contadas por Jesus para tirar seus ouvintes da zona de conforto foi a parábola do Bom Samaritano. A Sua Igreja, o Corpo de Cristo, é desafiada a servir o próximo no nível pessoal e coletivo. Somos agentes de transformação de realidade, agentes de mudança!

Eu+Um, eu levando o amor que transforma às pessoas do meu círculo de influência, é um desa o à promoção da transformação que a conversão a Cristo produz no indivíduo, família e sociedade. Por isto a VISÃO da nossa igreja é: “Na dependência de Deus, Ser reconhecida como uma Igreja que promove a transformação integral do ser humano.” E a nossa missão é: “Ser uma igreja acolhedora, discipuladora e multiplicadora, que na dependência de Deus promove a transformação integram de pessoal, sociedades e povos.”

Nesta parábola Jesus faz menção de dois versículos que são base para nossa igreja em 2017: “Ame o Senhor, o seu Deus, de todo o seu coração, de toda a sua alma, de todas as suas forças e de todo o seu entendimento e Ame o seu próximo como a si mesmo”.

O grito da alma do nosso próximo nos diz: “Alguém me proteja!” e Alguém me aceite como eu sou!” Só é possível suprir as necessidades do próximo quando me considero o próximo de alguém. Uma igreja transformadora é uma igreja formada por pessoas que vivem como este samaritano – saem da zona de conforto, vencem os preconceitos e amam incondicionalmente. Você tem saído da sua zona de conforto para amar o seu próximo?

E o grito continua: “Alguém me ajude a cuidar das minhas feridas!” e “Alguém me dê uma nova oportunidade!” Não adianta apenas minorar a dor. Precisamos intervir e transformar a realidade da pessoa para melhor! Existem dois princípios muito importantes a seguir: não existem limites para o que podemos fazer pelo nosso próximo; e, existem limites para o quanto devemos/ podemos nos envolver.

Pr. Martin Luther King, ao falar sobre a parábola do bom samaritano faz duas perguntas importantes: “O que vai acontecer comigo se eu parar para ajudar?” e “O que vai acontecer com o meu próximo se eu não parar para ajudar?”

Você intencionalmente tem ajudado a transformar a história do seu próximo?